Inland Empire & State of Jefferson

Scan01

Carolyn & the Volvo @ California desert, Vegas-bound (April, 2014)

Scan02

Carolyn & the Volvo @ Mojave National Reserve, California (April 2014)

Scan03

Carolyn @ Mojave National Reserve, California (April 2014)

Scan04

Crossroads @ Mojave National Reserve, California (April 2014)

Scan05

Carolyn & desert dunes @ Mojave National Reserve, California (April 2014)

Scan06

Mojave National Reserve, California (April 2014)

Scan07

Roy’s Motel, full vacancy @ Inland Empire, California (April 2014)

Scan08

US Post Office @ Inland Empire, California (April 2014)

Scan09

Carolyn & man @ Oasis & San Andreas’ Fault @ Inland Empire, California (April 2014)

Scan10

Super-furry Palm Trees @ Oasis & San Andreas’ Fault @ Inland Empire, California (April 2014)

Scan11

Surfaced water @ Oasis & San Andreas’ Fault @ Inland Empire, California (April 2014)

Scan12

Sun and shade @ Oasis & San Andreas’ Fault @ Inland Empire, California (April 2014)

Scan13

Carolyn kale gardening in Los Feliz, California (April 2014)

Scan14

Chris’ Crash Pad, Ruch, Oregon (April 2014)

Scan15

Chris’ Crash Pad, Ruch, Oregon (April 2014)

Scan16

Chris’ Crash Pad, Ruch, Oregon (April 2014)

Scan17

The Oak Tree @ Chris’ Crash Pad, Ruch, Oregon (April 2014)

Scan18

Easter reenactment @ Jacksonville, Oregon (April 2014)

Scan19

Writers Chris & Anna @ Jacksonville, Oregon (April 2014)

Scan20

Jacksonville, Oregon (April 2014)

“Só sei que foi assim”, save the date: 31/7/14

save_the_date

Olá!

é com um misto de satisfação, alívio e esperança que envio a todos – por enquanto – apenas o save the date para o lançamento de meu primeiro livro:

Só Sei Que Foi Assim.

Reservem esta data e planeje para, se possível, estarem em Juiz de Fora, MG onde será a celebração.

31 de julho de 2014
às 19h30, no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas

Por favor, compartilhem livremente este save the date com quem e da forma que desejarem! Facebook, twitter, email, correios, manifestação pública, meditação transcendental, fofoca ou tatuagem. Toda forma de comunicação vale a pena!

Como eu não sou ativa em nenhuma rede social, dependo de vocês para me ajudarem a divulgar!

Ainda falta um tempinho, mas para quem terá que se deslocar até Minas Gerais para o lançamento, como eu mesma, é bom um pouquinho de antecedência.

Espero ver vocês, suas famílias e seus amigos lá!

Um beijo agradecido,

Maria Bitarello

Matrimonio Chileno

Scan01 Scan02 Scan03 Scan04 Scan05 Scan06 Scan07 Scan08 Scan09 Scan10 Scan11 Scan12

All photos taken of my family in Santiago, Chile, in March 2014, using double-exposure of a Kodak 400 TMY film-roll with an all-plastic italian camera called Ferrania and bought at a Flea Market in Clermont-Ferrand, France, in 2010, for 10 euros.

Link

Summer Delight is a multimedia installation that dialogues with concepts of time, space, storytelling and randomness through still and moving images and sounds. Six flat screens display, in arbitrary order, a series of images at random time lapses. The text is divided in 16 pieces that are randomly narrated, through the central 5.1 channels sound system, interposed with moments of silence. Other four stereo sound systems are disposed in the same occupied space, playing the background sounds (internal and external), creating an immersive atmosphere for the narrative.

You can see here a linear video version of the installation and also the still frames and the text.

Summer Delight foi concebido como uma instalação multimídia de imersão, onde o diálogo entre tempo, espaço, movimento e aleatoriedade acentuam a experiência narrativa do espectador. Adaptado do conto “Don and Dean’s Summer Delight”, de Maria Bitarello, este trabalho pretende explorar os limites entre a narrativa literária e sua representação audiovisual. Em uma sala escura 6 telas planas dispostas na sala mostram, em ordem aleatória, uma serie de imagens de duração variada. O texto foi editado em 16 partes independentes que são narradas de forma randômicas através de um sistema de som central 5.1, intercalados com momentos de silencia. Outros 4 sistemas de som estéreo são instalados no mesmo espaço, tocando os sons ambientes e criando assim uma atmosfera imersiva para a narrativa.

O vídeo linear apresentado aqui é um dos desdobramentos desta pesquisa que busca as relações entre texto e imagem.

Project: Vinicius Berger
Story and Narration: Maria Bitarello
Assistant: Fábio Nascimento

Arnaldo e Rita

 

 

 

 

Já faz uns anos, tive um sonho com a Rita Lee. Minha memória de sonhos é ruim, e só tenho fragmentos. Mas recordo-me de encontrar a cantora na fila de um banheiro, em 1963, num show de Jorge Benjor. Era o lançamento do “Samba Esquema Novo”. Ela ainda era loirinha, sardenta, menina. Eu a reconhecia e me precipitava em sua direção. Não me lembro se ela me conhecia ou não, acho que não. Eu lhe disse, na fila do banheiro, que embora ainda não soubesse, ela seria integrante de uma das bandas mais importantes e incríveis do mundo, ao menos do meu. Que eles tocariam em toda parte, que eles revolucionariam o rock nacional e que dali a alguns anos eles gravariam a música que o Jorge Benjor estava tocando lá fora: “Minha menina”. O álbum de ‘63 é o meu favorito do cantor. E a primeira fase d’Os Mutantes, de 1967, com Ritinha de noivinha, é sem dúvida a que eu acho melhor.

 

Fim de ano me lembrei deles. A Rita faz aniversário dia 31 de dezembro. E nesse mesmo dia, no ano de 1982, Arnaldo Baptista, seu ex-marido e ex-parceiro musical, tentou acabar com a própria vida, sem sucesso. Eu tinha um mês de vida, e nos cruzamos no meio do caminho. Foi um começo para nós dois.

 

Arnaldo teve uma sobrevivência miraculosa. Um momento em que vida não só falou mais alto; ela gritou. Foi uma aposta. E ele foi parar em Juiz de Fora uns anos depois do incidente. Ele e sua “menina”, Lucinha Barbosa, sua companheira há 30 anos. E lá, em minha cidade natal, o velho mutante é figura não raro avistada. No cinema. Em exposições. Caminhando em parques. Vive num sítio perto da casa da minha mãe. Seus quadros são expostos na cidade; suas camisetas, pintadas à mão, vendidas localmente. Eu hoje vivo na cidade natal do Arnaldo, São Paulo, mas só o vejo na terrinha mineira. Nosso ponto de encontro habitual é a praça do bairro, onde nós dois temos uma preferência por caminhar. Ele e sua menina estão sempre lá, sempre juntos. Às vezes nos falamos, nós três.

 

Em 2007, o vi em cena pela primeira e última vez. Foi no show d’Os Mutantes, no Rio, que cobri para o jornal local no qual trabalhava na época. Da plateia, um coro de dez ou vinte de nós, mineiros, gritava “graminha, graminha, graminha”, que não é um viva à maconha, mas o nome do bairro onde ele reside em Juiz de Fora. Ele sorriu como criança. E nós também. Tive a oportunidade de entrevistá-lo, tiramos fotos juntos. Ganhei uma camiseta.

 

Fantasio que meu sonho foi uma forma de intervenção no curso dos acontecimentos. Se eu não tivesse contado à Rita – na fila daquele banheiro onírico, 19 anos antes do meu nascimento – que eles gravariam “Minha menina”, do Benjor, será que eles teriam ainda assim gravado a canção? Será que nos anos 2000 minha banda mineira, duplodeck, faria um cover dessa música – cover, por sua vez, inspirado pela apresentação do Belle and Sebastian no extinto Free Jazz Festival, de 2001, já que a banda escocesa também fez sua versão da baladinha distorcida? Será que o Arnaldo chamaria a Lucinha de “minha menina”, como o faz, carinhosamente? Será? Menina ou não menina? Eis a questão. Por que será que foi esse meu único comentário feito à Rita Lee na fila daquele banheiro sessentista? Não tenho as respostas.

 

Se Arnaldo não tivesse quase morrido em 1982, quando eu nasci, talvez ele já não estivesse mais entre nós. Sua quase morte foi um recomeço. Quando penso no Arnaldo e na Rita, nesse amor e nessa arte – e também na dor e na ruptura –, quem me vem à mente é Lucinha. A menina. Talvez a mesma da música do Benjor.

 

Talvez fosse ela a menina do sonho sobre a qual eu falava à Rita no banheiro do show.

Arnaldo 4

Arnaldo Baptista e Maria Bitarello @ vernissage no Janelas Verdes, Juiz de Fora-MG, Brasil – janeiro de 2006

Double snapshots

Scan01

Anahi @ Ibitipoca, MG, Brasil/2013

 

Scan06

Dad @ home, Juiz de Fora, MG, Brasil/2013

Scan07

Grandma’s @ Juiz de Fora, MG, Brasil/2013

Scan09

My old bedroom’s double view from window @ Juiz de Fora, MG, Brasil/2013

Scan11

Logo-Land @ Juiz de Fora, MG, Brasil/2013

Scan12

Concrete @ São Paulo, SP, Brasil/2013

Scan02

My garden @ Vila Madalena, São Paulo, SP, Brasil/2013

Scan03

Laura and Snacks @ Ibitipoca, MG, Brasil/2012

Scan07

Laura in Stripes @ Ibitipoca, MG, Brasil/2012

Scan11

Ghost horses @ Ibitipoca, MG, Brasil/2012

Scan12

Zuzu & Thi @ Pedro’s place, Rio de Janeiro, RJ, Brasil/2012

Scan07

Tcheco e Joca @ Rio de Janeiro, RJ, Brasil/2012

05430002

Mercado Municipal/Estação da Luz @ São Paulo, SP, Brasil/2011

05430005

Dutty and view @ Vila Madalena, São Paulo, SP, Brasil/2011

05430006

Habib’s over Paraibuna @ Minas Gerais, Brasil/2011

05430008

Vila Madalena, São Paulo, SP, Brasil/2011

05430010

Artist over water @ Pont des Arts, Paris, France/2011

05430012

Maria & Anahi @ Pont des Arts, Paris, France/2011

Scan10

Minas Gerais, Brasil/2011

Scan11

Minas Gerais, Brasil/2011

scan 01

Diaraye, Quai-de-Seine, Paris, France/2011