A day in the life of a schoolgirl in Bombay

… (and a couple of schoolboys) …

scan13

scan14

scan15

scan16

scan17

scan18

scan19

scan20

scan21

scan22

scan23

scan24

scan25

scan26

Natwar Nagar Public School, Mumbai/Bombay, India
January 2017 | Photos by Maria Bitarello
Canon AE-1 / Retro Chrome 320 (positive/expired)

Advertisements

Karma-Cola

holiEntregar-se para vencer” é o título de uma crônica que escrevi há quase 5 anos. A frase não é minha. Tirei-a do livro Shantaram, de Gregory David Roberts, que lia na época. Foi pouco antes de ir à Índia pela primeira vez. Três viagens depois, lembrei-me dessa crônica. Porque a resistência vem me parecendo uma força inútil e, lá, entregar-se é um ato de sobrevivência. A cada vez que volto ao país, essa frase ganha mais corpo e se transforma numa espécie de fé.

Não vou aqui ficar fazendo pregações sobre a cultura espiritual indiana. Sim, a espiritualidade está por toda parte, sagrado e profano tudo junto e misturado, e isso é maravilhoso em muitos momentos, mas o karma-cola não é meu forte.

Para continuar lendo, veja a coluna no site Outras Palavras.

Women by the water

scan01

scan02

scan03

scan04

scan05

scan06

scan07

scan08

scan09

scan10

scan11

scan12

Dashashwamedh Ghat, Vanarasi, India
December 2016 | Photos by Maria Bitarello
Canon AE-1 / Retro Chrome 320 (positive/expired)

Rabiscando Mumbai

yogainstitute

The Yoga Institute, Bandra, Mumbai, India – 31/12/16

birdsong

Birdsong Café, Bandra, Mumbai, India – 1/1/17

chaayos

Chaayos, Bandra, Mumbai, India – 5/1/17

hand-at-chaayos

Chaayos, Bandra, Mumbai, India – 6/1/17

A arte de morrer

170110-varanasib

Manikarnika Ghat, Varanasi, Índia

Um dos momentos mais importantes em “Bacantes”, na montagem do Teatro Oficina a partir do texto de Eurípedes, é o estraçalhamento do corpo de Penteu. Um ato indissociável da entrega de Penteu a seu fim. De certa forma, é a consumação da tragédia, o ato em que o antagonista compreende e aceita seu papel. A cena é violenta e bela. Desse ritual de morte, todos são convidados a participar. Primeiro, do estraçalhamento, depois, do banquete onde Penteu será comido pelas bacantes, pelos tebanos, por todos nós; o momento da festa. Assim como todos ali presentes, Penteu percebe a situação em que se encontra, reconhece o inescapável – a morte, ali, pelas mãos delas – e abre os braços. Não resiste. Recebe. E morre.

Em dezembro, antes do fim da temporada de “Bacantes”, voltei a Varanasi, na Índia – a mais importante das cidades sagradas hindus e uma das mais antigas do mundo – e me lembrei o quão insípidos são os rituais de morte em muitas culturas.

Para continuar lendo, veja a coluna no site Outras Palavras.