Trabalho não é emprego

170221-lazer

Outro dia fui ouvir uma fala do escritor, crítico e professor da Unicamp, Eduardo Sterzi, na livraria/biblioteca/espaço cultural Tapera Taperá, na Galeria Metrópole, no centro de São Paulo, sobre antropofagia e o modus vivendi ameríndio a partir de fotografias do antropólogo Eduardo Viveiros de Castro. E me saltou aos ouvidos quando ele disse que na cultura indígena o descanso e a atividade se misturam. Um índio molda seu arco ou cuida do fogo deitado na rede. Ele descansa o corpo, embora esteja propriamente ocupado com uma tarefa. Me identifiquei na hora. Tenho como posição favorita pra escrever aquela em que deito na cama, coloco uma pilha travesseiros sob a cabeça e descanso o computador em cima da barriga. Delícia. E sou muito produtiva nessa posição aparentemente anti-anatômica pra escrita. A escrita que é uma atividade, um trabalho.

Para continuar lendo, veja a coluna no site Outras Palavras.

Advertisements